segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Este é um daqueles dias

Não há dúvida que este foi um daqueles dias que dão vontade de continuar a alimentar este blog.
Muitas visitas registadas. Muita gente que passa por aqui.
Mas continuo na minha.
São visitas... ou é gente que quer alterar o estado das coisas?
Continuamos, nós que temos uma deficiência, a ser discriminados, excluidos, preteridos, em português corrente, LIXADOS (para não utilizar o vernáculo), pelas políticas dos sucessivos governos que ainda não perceberam o que é viver neste "jardim à beira mar plantado" tendo uma deficiência. Qualquer que seja.
São as "barreiras arquitectónicas", são os preconceitos, é a pobreza inevitável da maioria de quem tem uma deficiência, são as pensões de invalidez de 180 euros. É tudo isto, e mais qualquer coisa!
Afinal, vamos lá a ver, será possível transformar visitas em gente para alterar as coisas?

PS. Mais um desabafo

4 comentários:

Anónimo disse...

Olá Jorge:
Já falamos ao telefone e sou frequentador assiduo do blog que em meu entender é desde que foi criado a única janela de esperança que nos resta.A tarefa é como sabe melhor que eu muito dificil mas não impossivel há gente disposta a lutar para alterar o actual estado das coisas.Em breve darei noticias pessoalmente, força, e obrigado por não desistir desta luta que é de todos.Um abrço solidario Vivas
.

Manuela Ralha disse...

Olá, n nos conhecemos, mas para além de visistante assídua do blog, recebo tb contactos no meu mail. para além do mais tenho um blog( http://manuelaralha.blogspot.com) onde me tenho empenhado na luta contra a discriminação( para além de desabafar um bocadinho, que isto não é fácil) e até coloquei lá a animação da injustiça nos benefícios fiscais. Eu ainda não sei o que me vai acontecer, porque estou sem trabalhar, fiquei paraplégica à quase 5 anos, tive alta há pouco tempo e estou à espera que o seguro decida sobre a proposta de indmenização. mas é tudo muito, muito difícil, porque não usufruo de qualquer vencimento, nem tenho viatura adapatada, nem rigorosamente nada. De qualquer forma, não fiquei a chorar as minhas mágoas e tenho ído à luta. Não o posso fazer de modo directo, faço-o de forma indirecta. Muito obrigada pela luta por nós. não desistam. Eu não desistirei também.

Luís Ferreira disse...

Estou de acordo que as pessoas com deficiência se unam para lutarem pelos seus direitos e pela sua dignidade.
Se os operários lutam, os partidos políticos lutam, os empresários lutam, os professores lutam, os enfermeiros lutam, os polícias lutam, os demais grupos profissionais ou classes sociais lutam; então porque razão as pessoas com deficiência não hão-de lutar por aquilo a que têm direito?
´~e normal que lutem pelo trabalho, pela eliminação das barreiras arquitectónicas, pelo respeito por parte das pessoas e dos governos, etc.

Luís Ferreira

Caos Caslas security disse...

É preciso é enfrentar esta cambada.
Cumprimentos cordiais ao Vivas.