quarta-feira, 26 de setembro de 2007

É SIMPLEX



Mão amiga mandou uma pequena pérola.
Como sabem toda a gente pode comprar o "selo" para o carro pela internet. É o SIMPLEX.
Toda a gente? Não.
As pessoas com deficiência, porque têm isenção, não podem.
Tem lógica. Como são aqueles que têm mais dificuldade em se deslocarem às repartições de finanças, muitas delas inacessíveis como a minha, é fácil para todos entenderem que não possam recorrer à internet. É simplex.
Ora, o que aconteceu é que o governo foi interpelado sobre esta esta situação.
A resposta seria hilariante se o assunto não fosse sério.
Quem quiser ler tudo faça o favor de clicar sobre a imagem (que me perdoem os amigos cegos que não vão poder ler a imagem. Quem precisar é só pedir para o mail do blog e mando o texto em word).
Aqui deixo parte da resposta do Sr. Chefe de Gabinete do Sr. Ministro de Estado e das Finanças, Sr. Gonçalo Castilho dos Santos:

"Com efeito, ainda que o respectivo comprovativo revele uma incapacidade "permanente" tal não significa irreversível face aos constantes avanços da medicina."


Este Sr., Doutor concerteza, é uma pessoa de fé. Mas não me parece que seja na ciência. Deve ser em algum poder oculto que não descortino. Transformar permanente noutra coisa qualquer será mais do âmbito divino.

JFS

4 comentários:

Justino disse...

colega, "ilariante" é com H...

Anónimo disse...

Oh colega, não çei bem de honde.
Eu çei que tenho alguns porblemas com a órtugrafia. Mas o culega não tem nada a diser çobre o contiúdo?

Vá lá, não seja um corrector ortográfico. Precisamos de opiniões. Muitas.

PS. Habituem-se, porque coisas destas vão aparecer de certeza. Por distracção, pressa ou ignorância minha.
Esta por acaso - ou não - eu sabia.

Já agora corrijam também a pontuação. A minha é muito própria. A do Saramago também. (isto não é uma uma comparação, como é evidente).

JFS

Anónimo disse...

No comentário acima faltou agradecer ao Justino, e dizer, como seria evidente, que vou corrigir.


JFS

Anónimo disse...

mas será que esta noticia não suscita comentários mais substanciais?...